Mamma Vendetta nasceu livre, livre de conceitos ou direções pré-estabelecidas, somente a idéia de juntar o melhor da música e todos as formas de expressão artística ou manifestos ligados ao mundo independente. Mamma Vendetta é muito mais que uma agência de shows, funciona como uma verdadeira comunidade que agora coloca os pés para fora do gueto numa tentativa de mostrar ao mundo a variedade e atitude da arte independente elevando-a a outro nível. A família Vendetta iniciou suas atividades em 2009 trazendo alguns dos mais criativos e excitantes artistas da cena atual.

Mamma Vendeta é sobre musica para amantes da musica, é sobre cinema para os amantes de cinema e sobre verdade para aqueles que sabem conviver com ela. Para aqueles que procuram por algo que seja diferente de sua própria rotina, inquietos por novidades, não existe o tradicional quando o assunto é arte, não existe espaço para valores tradicionais, a arte sempre esteve aqui, mas continuamente em mutação.


Fazem parte da família:

Human Trash
The Blackneedles
Bloody Mary Una Chica Band
Damn Laser Vampires
The Dealers
The Biggs
The Dead Rocks
The Fabulous Go-Go Boy from Alabama
O Lendário Chucrobillyman
The Backseat Drivers
Vermes do Limbo
Hitman One Man Band
Dead Elvis and his Onegrave Band (Disgraceland)
Amazing Oneman Band (Uruguai)
Johnny Walker (US)
The Jam Messengers (US + Brasil)
Hugo Race (Austrália)
Two Tears (EUA)
The Solid Soul Disciples (Brasil e UK) (Brasil + UK)
Black Mekon (UK)
Swampmeat (UK)
Copter (UK)



Com esse time, Mamma Vendetta procura o intercâmbio entre bandas e a sua interação com o público de diferentes lugares e culturas, o que tem ocorrido com turnês dos artistas envolvidos no projeto.

MAMMA VENDETTA E COLDRICE ESTAO UNIDOS PELA NET, NOSSO CONTEUDO TAMBEM ESTA EM WWW.COLDRICE.COM

PARA RECEBER NOSSA PROGRAMAÇAO MANDE EMAIL PARA: contatomammavendetta@gmail.com

27 de mai de 2010

Kerry Davis fala com a Mamma Vendetta sobre a tour!




Kerry Davis, a one-lady band que estará em duas semanas aqui no Brasil, responde algumas perguntas sobre o seu processo de composição, como é ser uma banda de uma garota só, e o que ela espera e o que podemos esperar dela aqui no Brasil, entre outras coisas!

Como já falamos aqui, Kerry começou nos idos dos anos 90 como compositora, cantora e guitarrista das Red Aunts, banda punk de Long Beach Califórnia. Entre 94 e 98, as garotas lançaram 5 albuns com músicas que se destacavam por serem muito curtas e nunca seguirem o padrão estrofe-refrão-estrofe. Essa maneira de compor, influenciou Kerry até hoje, nos dois discos de TWO TEARS: Enjoy Yourself, no qual contou com outros músicos na sua produção e Little Tea, que pode foi gravado somente por ela, o que resultou em um som mais primitivo.

Two Tears estará aqui no Brasil a partir do dia 18/07/10, confira ai embaixo a programação!

E com vocês:

Miss Kerry Davis!

Two Tears is about you playing as a one-lady band but you also have different guests playing with you at live shows, how does it work for you?

IT WAS BY ACCIDENT I BECAME A ONE LADY BAND,BECAUSE THE DRUMMER DIDN'T COME TO REHEARSAL; IT WORKS OUT WELL BECAUSE I CAN TRAVEL MORE WITHOUT A GROUP AND MEET NEW PEOPLE AND THE MUSIC CHANGES. THE SONGS I WRITE ARE SO SIMPLE IT MAKES THEM MORE INTERESTING.


Tell us a little about not having a set up line up, good and bad sides of it?

THE BAD SIDE OF IT IS TRAVELING ALONE AND PLAYING THE SAME SONGS ALL THE TIME.


Could you talk a bit about how do you think that music and creating music works for you and also if you do got all instruments parts already in mind or more about one riff and goes?

I LIKE TO WRITE SONGS ON MY 4 TRACK AND I USUALLY JUST PLAY MY GUITAR UNTIL SOMETHING GOOD HAPPENS AND THEN BEGIN ADDING OTHER PARTS; I LIKE TO PLAY THE DRUMS ON MY RECORDINGS.

About recordings, do you play all by yourself or the jamming line up keep going?

I HAVE A DEMO OF ALL THE SONGS ON MY LAST RECORD WHERE I PLAYED ALL THE INSTRUMENTS, BUT FOR THE NEXT RECORD I WANT TO WRITE IT WITH FRIENDS.

When you record new stuff you also act as producer or do you work with different ones?

I HAVE AN IDEA WHAT I WANT FOR RECORDING BEFORE THE STUDIO FROM MY 4 TRACK DEMOS, BUT I LEARNED IN THE RED AUNTS TO LET THE PRODUCER DO HIS JOB. ITS EASIER AND THEY OFTEN HAVE GOOD IDEAS.I ALWAYS RECORD THE REAL RECORD WITH MY FRIEND GAR WOOD IN SAN DIEGO WHO PLAYS IN BEEHIVE AND THE BARRACUDAS AND NIGHT MARCHERS.

Listening to your albuns, the last one, “Little Tea”, sounds much more raw and simple than “Enjoy Yourself” which is the first one. Is there any reason for that, or is it just a natural maturity process?

I THINK IT WAS BECAUSE OF THE SIONGS AND THE PEOPLE I WAS PLAYING WITH AT THOSE TIMES. I WROTE LITTLE TEA AS MY ONE LADY BAND SO THE SONGS ARE MORE PRIMITIVE. I HATE LONG SINGS AND LONG CONCERTS FOR ROCK AND ROLL BANDS;

You have already lived in such different places around the world, such as Dubai and Paris, plus been on tour and all this, how do you think all that moving changed your music and what kind of plus you think you took out of it?

THE BEST THING IS THAT I AM MORE OPEN AND LESS AFRAID OF THE WORLD AND PEOPLE AND I SAW SO MANY BEAUTIFUL PLACES AND ATE A LOT OF GOOD FOOD!

For the Brazil tour you’re supposed to be playing with Marco Butcher on drums, how do you guys met and what kind of link do you think you do have in terms of music?

HE WAS MY FRIEND ON MYSPACE WHEN I LIVED IN DUBAI. i WOULD GO TO THE INTERNET CAFE WITH ALL THE ARAB MEN DRESSED TRADITIONALLY SITTING AROUND ME AND WE WOULD TALK ABOUT MUSIC. I KNOW HIM THROUGH ROB K. AND IN THE RED RECORDS CONNECTIONS.


What kind of music and bands have you been listening lately?

HERR BROKEN FROM FRANCE ON DEVIL'S RUIN, LILI Z FROM FRANCE TOO. CHIQUITA Y CHATARRA FROM GIJON, SPAIN IS GREAT! DES ROAR FROM NEW YORK CITY IS AMAZING!

How is to be touring around US nowadays in a independent way?

I DON'T TOUR IN THE US VERY MUCH ANYMORE BECAUSE ITS TOO BIG. I WENT TO THE SOUTH WITH MY FRIEND DAN SARTAIN LAST SPRING, WE WENT TO GEORGIA, ALABAMA, MISSISSIPPI, NORTH CAROLINA, REALLY CRAZY, TYPICAL SOUTHERN TOWNS, IT WAS WILD

Is it much different from Europe?

TOTALLY DIFFERENT. EUROPE IS OLD AND AMERICA IS NEW AND REALLY BIG, YOU CAN DRIVE ACROSS TWO ENTIRE COUNTRIES IN EUROPE THE SAME TIME IT TAKES TO TRAVEL THROUGH TEXAS.

What kind of expectations do you have for this Brazilian tour?

DRINK CAIPIRINHAS AND MAKE A LOT OF NEW FRIENDS AND HAVE FUN WHILE ROCKING, I AM SO EXCITED AND A LITTLE BIT NERVOUS!

Should we wait for a new album coming soon?

I AM GOING TO FINISH WRITING IT THIS SUMMER IN MY NEW APT. IN NEW YORK.

Any new songs on this tour?

YES AND MAYBE WE'LL WRITE ONE TOGETHER.


E aqui vai a agenda de shows até agora no Brasil!

CB Bar - São Paulo - dia 18 /06 - sexta feira
R. Brigadeiro Galvão, 871
Barra Funda
Tel.: (11) 36668971


Bar do Zé - Campinas - dia 19 /06 - sábado
Av. Albino JB de Oliveira, 1325
Barão São Geraldo

Caffeine - São Paulo - dia 20 /06 - domingo
R. Pitangueiras, 93
Praça da Árvore

Taberna Dharma - Bragança Paulista - dia 21 /06 - segunda feira
R. José Gomes da Rocha Leal, 1461
Centro


Lions Night Club - São Paulo - dia 22 /06 - terça feira
R. Brigadeiro Luiz Antônio, 277


Vegas - São Paulo - dia 24 /06 - quinta feira
R. Augusta, 765
Centro

Teacher's Pub - Vitória do Espírito Santo - dia 26 /06 - sábado
R. Rômulo Samorini, 33
Praia do Canto

Cinemateque - Rio de Janeiro - dia 27/06 - domingo
R. Voluntários da Patria, 53
Bota Fogo

Kubrick Bar - Curitiba - dia 01 /07 - quinta feira

Rocket Party - Florianópolis - dia 02 /07 - sexta feira

Jack Rabbit - Cachoeirinha - dia 03/07 - sábado
Av. Flores da Cunha, 1924
Parada. 53


Entre Bar - Porto Alegre - dia 04/07 - domingo
Rua José do Patrocínio, 340
Cidade Baixa

10 de mai de 2010

O LENDARIO CHUCROBILLYMAN em São Paulo



Nessa terça-feira, 11/05, acontece mais uma edição da 6 Degrees, festa no Lions Night Club,e com produção da Mamma Vendetta quem vem de Curitiba é O Lendário Chucrobillyman and His Oneman Band, para mostrar como se faz uma bela mistura de Blues, Punk e Garage Rock com sua viola caipira!

Ai vai um pouco disso:



Lions Night Club - São Paulo - dia 11/05 - terça feira

R. Brigadeiro Luiz Antônio, 277

1o. andar

7 de mai de 2010

HUMAN TRASH por Ana Alice Gallo


O Lixo Humano
Orgânico, Papel, Plástico e Metal - tudo cru

--- por Ana Alice Gallo ---

Há glamour na podridão da cidade. Há alma no rock e no lixo, esses excluídos produtos da nossa civilização, que muitas vezes se regurgitam em nossa própria cara. E a flor-de-lótus no esterco paulistano vem em forma de um rockabilly sujo e poderoso chamado The Human Trash. O power trio, formado pelo duo de guitarras femininas Mari e Mayra “Trash” e pelo batera L.T, se prepara para lançar o primeiro álbum “Welcome to Trashville”, mas já liberou um Epzinho bala com quatro dessas canções que mostram o potencial nada descartável da banda.

Comecemos pelo orgânico. A crueza do som do The Human Trash começa no fato de que dispensaram, sem delongas, o baixo. A bateria, feita com latão de lixo, lata de tinta, garrafa de breja e outras coisas que todos nós podemos encontrar na lixeira de casa, traz sua – como se pode imaginar – peculiar sonoridade, sem perder a força e a marcação encorpada tão característica de sons dos anos 50 pra lá. O trio, que também integra bandas do underground brasuca como Backseat Drivers, Pullovers, e da monobanda The Fabulous Go Go Boy from Alabama, se reveza nas vozes. E, ao abrir o latão, o ouvinte tem a sensação de ser transportado para qualquer inferninho quente e malcheiroso de onde o rock poderia brotar do chão.

Agora, o papel. Apesar de rezar a cartilha de uma seleta parcela do “indiebilly” brasileiro, calcada em compassos fechados de backbeat, rock anos 50, bluegrass e outras cruezas deliciosas, o frescor e a urgência da banda abrem espaço para que “Welcome to Trashville” seja aguardado com alegria por esta depredadora que vos fala. E, pra completar, quem assina a produção é o legendário Marco Butcher, uma das mentes por trás do glorioso Thee Butchers’ Orchestra e o Uncle Butcher and His One Man Band em pessoa.

Mas, ao contrário de outras pérolas da internet, a banda não é de plástico. Dá pra ouvir por aí, e em lugares bem bacanas, da capital ao interior de Sampa, passando por Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Londrina e Maringá. Em junho, a THT fará uma tour com a banda americana Two Tears pelo Brasil, anuncia o batera Luis. E, enquanto o CDzinho metálico não chega, baixe no virtual mesmo. Ouça, com certeza, as faixas “Trash Bomb" e "Trashville”.

http://www.mediafire.com/file/hzml2mhjty3/THEHUMANTRASH
- WELCOME TO TRASHVILLE (single 2009).zip


http://rapidshare.com/files/368571937/THE_HUMAN_TRASH_-WELCOME_TO_TRASHVILLE__single_2009_.zip.html


http://www.megaupload.com/?d=U6W9CUAF

6 de mai de 2010

No Sweat - novo álbum de UNCLE BUTCHER para download


Tendo a country music e o blues como influências e uma tremenda necessidade de entregar um repertório que fosse o mais barulhento possível no que diz respeito ao tipo de gravação, timbres de guitarra e vocais, Marco Butcher AKA Uncle Butcher volta à cena com No Sweat, seu quarto álbum no formato oneman band. Seu primeiro disco saiu em cdr e apenas algumas poucas cópias que se esgotaram com quase a mesma rapidez que esse inquieto arquiteto da musica Trash & Blues compõe e produz seus discos. O segundo álbum foi lançado por um selo Argentino no ano de 2003 também em um esquema bem pequeno, contando com algumas poucas cópias, que deram ao mesmo o status de item para colecionadores do estilo. No ano de 2004 Uncle Butcher entra em estúdio para gravar Down South, disco que foi produzido pelo já partner em vários outros trabalhos Clayton Martin, produtor e músico paulistano que tem no currículo a produção de alguns discos dos Thee Butchers Orchestra. Com um master de audio nas mãos e alguns poucos shows marcados nos Estados Unidos, Uncle Butcher joga algumas poucas roupas na bolsa e põe os pés na estrada rumo a Knoxville Tennessee. Faz shows com bandas como Demolition Doll Rods, Bloodshot Bill, festivais de oneman band na parte sul do país e finalmente tem um master para Down South em mãos feito por um amigo em NYC, onde ficou por uns tempos tocando e tentando sobreviver de alguma forma ao caos que era a vida naquela época.
Após um espaço de tempo de quase 3 anos em que passou ocupado cuidando de seus vários projetos o que inclui seu duo com Rob K os Jam Messengers e também com seu novo grupo os Solid Soul Disciples numa corrida entre turnês e gravações de álbuns, Marco Butcher finalmente em 2009 encontra tempo para entrar em estúdio agora com Luis Tissot e Renato Gimennez, amigos de longa data e capitães do Caffeine Sound Studio para Gravar No Sweat, disco q será lançado pela Mamma Vendetta em parceria com o ColdRice Records.

No Sweat traz um artista mudado ou apenas experimentando outros sabores dentro da vasta escola da musica. O disco tem 11 canções que retratam sua própria loucura de forma um pouco mais pessoal, deixando um pouco de lado o yeah yeah yeah e mergulhando numa atmosfera mais soturna. O blues ainda esta lá como de costume, mas é fato que No Sweat traz na bagagem muito da música country misturada a um verdadeiro laboratório experimental no qual teve algum tempo pra trabalhar usando desde latas, carros de supermercado, e placas de rua até os amplificadores mas absurdos que você possa imaginar e é isso que vai chegar aos seus speakers e ouvidos. No Sweat é um disco que mostra o Blues da forma mais visceral possível, levando aos limites esse ritmo cru e rude. Uncle Butcher transpira música primitiva por todos os póros da forma mais violenta possível com riffs de guitarra slide e criando beats dançantes para garantir a sua festa rock!

Link para download:

http://www.mediafire.com/?zj2m5jomgyt

5 de mai de 2010

DAMN LASER VAMPIRES


A mais nova banda a se juntar a família Mamma Vendetta, Damn Laser Vampires, acabou de gravar Three-Gun Mojo no Caffeine Soundstudio (SP), com produção de Marco Butcher e Luis Tissot, esse é o seu 2º disco, com 13 faixas que em breve sai pelo selo americano Devil’s Ruin Records.

Aqui as impressões de Marco Butcher ao produzir o disco:

Aquela quinta feira do dia 25 de março de 2010 não era como qualquer outra e apesar das escadas do Caffeine ainda cheirarem a cerveja como sempre, o que me traz a mente a frase lar doce lar, tudo parecia diferente, começava ali uma nova história, uma cartase provida por 3 jovens músicos vindos da parte sul do pais. Ron, Francis K e Michel parecem levar nas malas e cases o verdadeiro mojo, aquilo que um dia já foi chamado de ALMA, espírito de bravura e, mais do que isso, a vontade e coragem de dar a cara a bater.
Lembro de uma conversa que tivemos meses antes durante uma tour que tive o prazer de fazer com meus amigos do trio inglês Black Mekon e pude perceber a vontade e respeito desses três pela música rock. Por azar deles ou sorte minha, tenho o privilégio de conhecer Luis Tissot, que além de ser um dos produtores mais respeitáveis que conheço, tem a visão e o coração tão grandes que não caberiam nessas linhas. Dito isso, sentia que aquela noite tinha algo de especial!! Subi as escadas do antigo sobrado e lá estavam pilhas de equipamentos e a mesma energia de sempre, aquela que comanda tudo que é feito e produzido ali dentro. Como produtor minha missão era ter a certeza que tudo sairia como o planejado, mas é claro, quando o assunto é arte isso não existe!!
Three Gun Mojo nascia de parto natural, alguns amigos tocando, bebendo cerveja e contando histórias numa troca de experiências e também numa espécie de tributo a tal amada musica rock.
Munidos de alguns equipamentos antigos e uma boa dose de força de vontade eu (Marco Butcher) e Luis Tissot tentamos criar ali uma face, atmosfera que fizesse justiça a banda, de fato estava tudo ali, nossa missão era ter certeza de que nada se perderia. Na primeira noite gravamos 9 das 13 músicas que entram no álbum, um feeling de estar no caminho certo tomou conta e tudo.
Three Gun Mojo é primitivo até os ossos, traz aquela energia há muito esquecida pelos rockeiros dos dias de hoje, música simples, direta e cheia de poesia, uma verdadeira aula de como fazer rock & roll,,
São 13 faixas que vem em ritmos como o twist, country, rockabilly, blues e é claro o bom e velho Boogie woogie. Li em algum lugar que os Damn Laser Vampires seriam uma banda disso ou daquilo, na minha opinião são apenas uma ótima banda de música rock e acho que isso deveria bastar!!!

Marco Butcher



Neste próximo sábado, 8 de maio, a partir das 20h (horário do Brasil), haverá uma participação especial da produtora de filmes californiana ScUMBAG Movies no programa de rádio White Trash Wreckord Party, de San Francisco, falando sobre seu novo filme “TRANTASTIC”, que tem uma música dos Damn Laser Vampires na trilha sonora: “That Thing You Have”, feita especialmente pro filme, também integra o novo disco “Three-Gun Mojo”, ainda inédito.
O programa começa às 20h (Brasil).
http://www.fccfreeradio.com// (clicar em LISTEN LIVE)

Sobre “Trantastic” e ScUMBAG Movies:
http://web.me.com/scumbagmovies/Site/ScUMBAG_Movies/ScUMBAG_Movies.html
http://www.myspace.com/mrandmrsscumbag
www.scumbagmovies.com


E, pra aquecer enquanto “Three-Gun Mojo” se prepara pra chegar, os vampiros escolheram três músicas do disco pra vocês ouvirem em primeira mão no MySpace.
A cada semana uma nova música estará no ar:

Dia 8 de maio, após o programa, “That Thing You Have” .

Dia 15 de maio, é a vez de “Car Disaster”.

Dia 22 de maio, “Creepy Thing”.

4 de mai de 2010

NOVO CLIPE BLACK MEKON

Ai vai o novo clipe de Brown Lullaby dos Black Mekon, rodado em Birmingham e dirigido por Mr. Radar, com assistência de T-Bird e Mrs. Radar